top of page

Terapias Complementares para Animais com Câncer"?


Como oncologista veterinário e praticante de terapias complementares como acupuntura, fitoterapia e homeopatia, costumo atender muitos animais com câncer, especialmente casos complexos onde outras terapias já foram tentadas.

O tutor do animal com câncer geralmente chega desanimado e pessimista, pois a medicina ocidental tradicional encara o câncer como um processo gravíssimo, muitas vezes sem cura. Isso é evidenciado pelos fármacos ainda utilizados em seu tratamento, que remontam ao período pós-guerra há mais de 60 anos. Por exemplo, a doxorrubicina é derivada de uma bactéria e foi sintetizada em 1960; a vincristina e a vimblastina, originadas da planta Catharanthus roseus, em 1961; a ciclofosfamida teve seu estudo iniciado após observações nos soldados da Primeira Guerra Mundial (1914) expostos ao gás mostarda, e assim por diante.

Atualmente, existem quimioterápicos modernos, sintéticos e com efeito no processo genético do câncer, mas são praticamente indisponíveis na medicina veterinária, seja pela falta de disponibilidade no mercado, estudos clínicos em animais ou pelo alto preço.

Assim, o oncologista fica dependente de uma boa cirurgia, com excelentes margens para resolver o processo. Esta é a primeira sugestão que fornecemos ao cliente quando vem para a consulta: realizar a cirurgia. Porém, em muitos casos, o processo já está bastante avançado e impossibilita a cirurgia. Qual opção resta, então? As terapias complementares.

De fato, por serem complementares, essas terapias deveriam ser utilizadas em conjunto, e logo veremos por quê.

Na medicina convencional, baseada em uma perspectiva mecanicista, a cirurgia é comparada a substituir uma peça — remove-se o que está errado e pronto. Mas não é apenas isso. A causa do câncer é principalmente genética e imunológica, portanto, devemos tratar ambas as causas para que o processo não se repita. Remover apenas a consequência não trata a causa.

 

No entanto, não existem terapias que modifiquem a genética", diria um colega desinformado, por exemplo, a acupuntura. Basta fazer uma pequena pesquisa em mecanismos de busca com trabalhos publicados para ver a quantidade de estudos mostrando a acupuntura modificando a expressão do micro RNA, uma das formas de modificar a expressão genética e controlar a epigenética. Vejam este trabalho - "MetastamiRs: non-coding MicroRNAs driving cancer invasion and metastasis" — que fala sobre a importância do microRNA no câncer e, em seguida, cruzar "microRNA e câncer" para ver como a acupuntura modula isso.

 

Assim, modificamos a genética com a acupuntura. Mas, como dizem, "não é só isso". Sua ação na modulação imunológica também está altamente comprovada, sendo o segundo fator predisponente ao câncer.

 

Portanto, somente com a acupuntura teremos o controle das duas causas do processo cancerígeno — a imunologia e a genética (no caso, através da modulação de sua manifestação — a epigenética).

 

Será que outras terapias também não atuam neste processo? Faltam estudos.

 

Além deste estudo físico na medicina chinesa, de onde a acupuntura faz parte, fala-se claramente da importância dos sentimentos e emoções na geração das doenças.

 

Como estes sentimentos e emoções não são tão evoluídos nos animais, segundo a própria medicina chinesa, é o ambiente quem vai causar este desequilíbrio energético. Assim, as emoções desequilibradas dos tutores desequilibram a sintonia e a frequência natural e normal e geram a segunda parte do processo de adoecimento — o desequilíbrio da energia.

 

No câncer, o processo energético que afeta as emoções, por se tratar de uma doença complexa e profunda, mostra um desequilíbrio energético/sentimental grave dos tutores, o que, através do entendimento diagnóstico da medicina chinesa, também pode ser trabalhado.

 

Para concluir, sim, devemos fazer a cirurgia, mas não devemos esquecer de tratar as causas, onde as terapias complementares atuam precisamente e eficazmente. Todos os pacientes poderiam passar por um tratamento complementar após o tratamento convencional com um médico, pois somente assim trataremos não apenas os efeitos, mas principalmente as causas das doenças, especialmente do câncer.


Deixe seu comentário ou duvidas


10 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

1 Comment


anapaulitadb
May 06

O desequilíbrio energético/sentimental do tutor pode causar uma doença no seu pet ou até mesmo um câncer?

Like
bottom of page